Relação Brasil & Austrália

Brasil & Austrália

Brasil e Austrália têm uma economia sustentada em grande parte pela força da agropecuária e dos recursos naturais e figuram como dois dos maiores países do mundo. Apesar das semelhanças geográficas e econômicas, existe uma distância enorme e uma logística complicadíssima entre eles, o que poderia ter dificultado qualquer relação comercial. Porém, o Brasil é o mais antigo parceiro diplomático e o maior parceiro comercial da Austrália na América do Sul, tendo firmado o primeiro acordo comercial em 1978. A despeito disso, as relações continuaram tímidas até o final da década de 1990.      
     
No início do século XXI, o comércio entre os dois países, que não passava de US$ 1 bilhão foi para US$ 2,7 bilhões em 2011. Segundo dados do Ministério das Relações Exteriores, entre 1999 e 2009, as exportações brasileiras para a Austrália cresceram a um ritmo de 17% por ano, enquanto as importações australianas para o Brasil, 14%.

Entre 2009 e 2013, o intercâmbio comercial brasileiro com a Austrália cresceu 20,7%, de US$ 1,3 bilhão para US$ 1,6 bilhão. Nesse período, as exportações reduziram-se 8,5% e as importações cresceram 37,8%.

Sobre outra perspectiva, no início do século menos de mil brasileiros iam estudar na Austrália. Em 2014 são quase 20 mil. Havia, também, pouquíssimas agências de turismo relacionadas à Austrália. Hoje, são inúmeras.

Isso significa que em um mundo cada vez mais globalizado e competitivo, as relações entre os dois gigantes do Sul se consolidam ano a ano, trazendo benefícios não apenas para as respectivas economias, mas para o desenvolvimento econômico, social e cultural dos dois países.

Como não poderia ser diferente, dois segmentos, em especial, contribuíram muito para esse crescimento das relações comerciais: mineração e agropecuária.

Conforme publicado no relatório Brasil Global Net, do Ministério das Relações Exteriores, de 2012: “Parece existir um bom potencial para que o volume atual de comércio entre a Austrália e o Brasil seja intensificado, levando-se em conta especialmente o encorajamento para a aproximação comercial e de relacionamentos pessoais”.